(11) 96767-5765 | (11) 4398-9111 atendimento@segurimob.com.br

Como funciona o

Financiamento Imobiliário?

O financiamento imobiliário

Quando uma pessoa compra um imóvel, novo ou usado, ela pode financiar o pagamento. Os financiamentos são realizados pelos bancos, que pagam ao vendedor do imóvel a quantia que o comprador quer financiar. A partir daí, o comprador deve pagar o banco que quitou sua dívida.

Durante esse período, o imóvel fica ligado à pessoa que fez a compra, mas permanece como garantia ao banco que fez o empréstimo do dinheiro (alienação fiduciária).

Condições de financiamento

Diversos bancos oferecem financiamentos. O que os diferencia são as condições de pagamento, como as taxas de juros cobradas, a duração dos contratos e a porcentagem do valor do imóvel que pode ser financiado.

Documentos necessários

No primeiro momento, será necessário entregar cópias do RG e CPF (do casal, se for o caso), dos comprovantes de estado civil e de renda (holerites, extratos bancários e declaração completa de imposto de renda do casal, se for o caso).

Autônomos podem comprovar renda por meio do contrato de prestação de serviços, declaração do Imposto de Renda, declaração do sindicato da categoria, recibo de recebimento por trabalhos prestados ou uma Declaração Comprobatória de Recepção de Rendimentos (Decore), feita por contador.

Além disso, trabalhadores rurais, ambulantes, diaristas, barbeiros, cabeleireiros, doceiras, entre outros que não tenham conta em banco, devem preencher uma ficha de cadastro sob orientação do gerente, que irá informar em cada caso quais são os documentos necessários.

A comprovação de renda do comprador indicará sua capacidade de pagamento das prestações, pois o valor delas não pode ser maior que 30% da renda familiar bruta.

Além disso, também é feita uma análise cadastral, que consiste na verificação de nome no Serasa ou no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito). Serão necessárias também a apresentação de algumas certidões.

Não havendo problemas, é aprovada a liberação de crédito com um período de validade que varia de acordo com o banco (o dinheiro não é liberado nesse momento).

* Os documentos exigidos podem variar de acordo com a instituição financeira escolhida para o financiamento do imóvel.

Avaliação do imóvel

Depois disso, o banco, por meio de uma empresa, engenheiro ou arquiteto, realiza a avaliação do imóvel para confirmar o seu valor.

A partir daí, o banco elabora o contrato e pede que comprador e vendedor assinem o documento. O contrato deve ser registrado em cartório e levado à agência bancária. Depois disso, é liberado o crédito, e o vendedor é pago. Com isso, o comprador começa a pagar as prestações mensais para quitar sua dívida com o banco.

Tipos de financiamento imobiliário

Os financiamentos podem ser realizados com a utilização de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). O enquadramento na carta de crédito FGTS ou SBPE será determinada pela instituição bancária após análise do valor do imóvel, renda familiar e outros fatores.

Há ainda a opção de financiamento direto com a construtora.

O que acontece quando o consumidor deixa de pagar as prestações antes do término da dívida?

O banco pode entrar com uma ação judicial para ficar com o imóvel, que é leiloado. Esse valor é usado para pagar a dívida da pessoa com o banco e as despesas judiciais que o banco teve. O valor que sobra é devolvido ao consumidor. É imprescindível ir ao banco e expor a situação a fim de encontrar um meio de resolver o problema antes da 3ª parcela em atraso.

Em caso de atraso, os consumidores devem ficar atentos à multa e aos juros cobrados ao mês. A multa paga não pode ser maior que 2% em relação ao total da dívida. Os juros por mês de atraso não podem ultrapassar 1% do total da dívida.

Fale com a SEGURIMOB

Envie sua mensagem

Ou entre em contato

(11) 96767-5765 | 4398-9111
(11) 96767-5765
atendimento@segurimob.com.br

Horário

2ª a 6ª feira das 09:00 às 17:00h

Área de atuação

São Paulo capital, São Bernardo do Campo, Santo André, São Caetano do Sul, Diadema e Campinas